A Grief Observed

Posted in Reflexão with tags , , , , on 11 de agosto de 2011 by Pablo Teixeira

Today I have been revisiting old haunts, taking one of the long rambles that made me so happy in my bachelor days. And this time the face  of nature was not emptied of its beauty and the world didn’t look (as I complained some days ago) like a mean street. On the contrary, every horizon, every stile or clump of trees, summoned me into a past kind of hapiness, my “pre-H.” happiness.

C. S. Lewis – A grief observed

Anúncios

Quando as coisas acontecem, o Amor vai pra onde?

Posted in Reflexão on 25 de julho de 2011 by Pablo Teixeira

Como entender a mente de Deus, diante de tanta coisa acontecendo ao mesmo tempo?

É preciso que haja um propósito imenso pra todas as coisas debaixo do Sol. E Deus, escuta aqui, eu preciso muito saber qual é. Conviver com essa angústia, com esse misto tão desconfortável de sentimentos à flor da pele, não me parece muito justo.

É claro que reconheço por todos os ângulos e formas possíveis que o Senhor sabe mesmo o que faz, mas nesse momento, tudo me parece vago.
Por que me proporcionar alguns momentos tãos raros, de alegria intensa, e minutos depois, dilacerar a minh’alma com uma notícia tão apavorante, de uma perda tão estúpida?

Eu sei que as coisas não acontecem à toa, e é até mesmo falta de respeito da minha parte querer questionar essas coisas. Também sei que essa perda não vem de hoje, mas sim de um longo, pesado e triste pedaço de história, que envolve uma série de questões humanas.

Mas é que dói. E eu espero que Senhor me perdoe por isso.

Ele estava lá. Eu podia vê-lo. Podia escutá-lo. Podia alertá-lo. E isso o fiz por algumas vezes. Mas não foram vezes suficientes, e agora… não posso mais.
Por que a mente humana não consegue pensar nisso antes de vir o “ah se eu…”?
Por que desistimos de tão somente falar do Amor, aos que precisam ser amados?
Por que razão, Deus, só consigo achar as palavras agora que não posso mais falar nada?

Não me venha com aquela história do “ah, não pode ser ‘por quê’, tem que ser ‘pra quê’.
Esse seu “pra quê” não existe. Esse seu “pra quê” traz como base uma noção de que as coisas só acontecem pra podermos concertar outras coisas que deixamos de fazer.

Balela. O que foi feito, foi feito. Não me venha remediar os atos passados com uma promessa de final feliz pra daqui a pouco. A tristeza é real. Tão real quanto a evolução (pra morte) da Humanidade.

Eu preciso de um “porque”. Talvez não aqui, já que eu não sou daqui, mas um dia, Deus, por favor me explique o porque das coisas. Eu preciso saber do real “porque” da minha existência, quanto ser humano.

Hoje eu ganhei. Hoje eu perdi. E agora, o que vem pela frente?

Não quero consolo. Não quero abrigo. Não quero choro em vão.
Quero um “porque”, Deus.
Por favor, se for pra ficar louco, que seja entendendo o “porque”.

Grato,

Minha-noite #7

Posted in minha-noite with tags , , , , on 13 de maio de 2011 by Pablo Teixeira

“Não julgar para não ser julgado. Esta recomendação de Jesus tem sido mal interpretada. A maioria usa para refrear opiniões a respeito de outras pessoas. Contudo, não é isso que Jesus pretende (…) Desmascarar é diferente de julgar. Desmascarar é necessário à sobreviência espiritual. Seguir um lobo é perigoso. Cair na conversa de um lobo é faltal. Lobos são letais. Julgar é estabelecer veredictos, determinar sentenças, prescrever penalidades. Julgar é prerrogativa divina. Observar e desmascarar é responsabilidade humana.”

René Kivitz

Agora me diz, o que é o certo?

Acho que entendi esse lance de “julgar”. É bem simlpes (dentro de toda complexidade possível). Ao que me parece, o Deus que conseguiu criar todo o mundo e o que nele há, resolveu deixar os seres habitantes e dominantes desse mundo viverem em paz, podendo fazer suas próprias escolhas, tomando suas próprias decisões, tirando suas vagas e flácidas conclusões.

Contudo, o que parecia ser bom para a humanidade, se tornou seu pior lamento. O Homem pensa tanto, que se esquece de sentir.  Felizmente, para o bem daqueles que pensam, aquele que vê, pensa, fala e faz tudo segundo um inexplicável amor – muito maior do que o imaginado – olhou para a criação, e mais uma vez amou.

Amou aqueles que lhe viraram as costas, amou a quem jogou pedras, feriu princípios e amou a quem conseguiu corromper o prazer dado por ele.

O próprio Amor veio à Terra e virou Esperança. Assim como o “guarda-vidas” traz esperança ao que se afoga no mar, achando que sabe nadar, assim o Filho do Homem veio para fazer com aqueles que pensam saber viver sem ele.

Eu, que só conheço o pecado, fico perplexo tentando entender o que trama o coração de Deus para nós. Agora, imagina Deus – que só conhece o que é bom, vendo tudo que se passa no sujo coração humano. Com certeza eu não tenho certeza (sim) do nome do sentimento que Deus deve sentir. Assim como “saudade” só pode ser sentida no bom português, imagino que no idioma de Deus deve existir algum tipo de palavra para expressar esse sentimento.

Mas o que mais me chama a atenção é o fato de que o ser racional ainda tenta, dia após dia, evoluir. “Qualé o problema?”, você diz. O problema é que tudo que o Homem evoluiu sem a ajuda de Deus, no fim das contas contribuiu (e ainda contribui) para o regresso de toda espécie.

O evoluído quer amar, salvar, julgar e infelizmente – na maioria das vezes, quer condenar. “Ame o próximo” vem depois de “Ame o Senhor teu Deus”. Porém, mais na frente vamos ler que não podemos amar a Deus sem amar ao próximo.  Curioso, né?

Quem disse isso entendia do Amor. E assim o era, entendido do Amor, justamente por não ter vergonha em assumir que de nada entendia. Se o Humano não lembrar o que significa “ser humano”, nunca entenderá essas coisas, entende?

Pra finalizar, cheguei a seguinte conclusão:

No dia que você, humano, conseguir (re)criar o mundo, oferecer esperança de vida – em abundância, seguida de um intrigante amor , que perdoa, transforma e traz sorriso à alma, aí sim você fique a vontade para falar, entender e bolar essa frase:

Pois Deus enviou seu filho ao mundo, não para condenar o mundo, mas para que este fosse salvo por meio dele. Quem nele crê, não é condenado; mas quem não crê, já está condenado, por não crer no nome do Filho Unigênito de Deus.  – João 3: 17-18

Do contrário, se você não for esse Filho, nunca julgue a humanidade pelo que ela faz. Desmascare. Ajude a reconhecer, mas não, em nenhuma circunstância julgue a humanidade.

Meu caro,
Se for pra afundar, que seja num oceano chamado “Graça“.

Música por música #4

Posted in Música por música with tags , , on 7 de maio de 2011 by Pablo Teixeira

Warmer Climate – Snow Patrol

Tell me if im going crazy,
but everything you said amazed me,
seems too easy on the ear to
be something i should adhere to.
You told me to just simply wonder,
rather than take shelter under,
an open my heart to the thought that,
life is something you’re not caught at.
Too easy to get lost in progress,
i didn’t see you there in that dress,
then suddenly the world seems so small,
we fit it all inside our front hall,
edison would spin in his grave,
to ever see the light that you gave,
don’t want to take it nice and slow here,
don’t want to waste a minute more dear.
The universe just vanished out of sight,
and all the stars collapsed behind the pitch black night,
and i can barely see your face infront of mine,
but it is knowing you are there that makes me fine.
Maybe its the warmer climate,
maybe i’m a smarter primate,
maybe its the beer i’m drinking,
maybe i’ve stopped over thinking,
baby you’re the words and chapters,
the sweetness in the morning after,
you are the cry that turns to laughter,
you’re the hope that ends disaster.
The universe just vanished out of sight,
and all the stars collapsed behind the pitch black night,
and i can barely see your face infront of mine,
but it is knowing you are there that makes me fine.
But the universe is just an empty space,
and all the stars can disappear without a trace,
i’m so glad that this has taken me so long,
´cause its the journey that made me so strong.

minha-noite #6

Posted in minha-noite with tags , , , , on 3 de maio de 2011 by Pablo Teixeira

Pra falar de morte, tem que se estar vivo

Pra falar de fim, tem que começar

Pra falar de música, tem que ser surdo para o gosto e só pensar no que é proposto

Pra falar de árvore (hoje), é preciso que alguma seja derrubada

Pra falar de outrem, é preciso alguém

Pra falar disso, foi preciso pensar e escrever

Pra falar daquilo, isso já não era mais importante

Hoje, o que penso e o que sinto são separados pelo que faço

Se faço aquilo que sinto, penso que fiz errado

Se erro no fiz, penso que sinto muito

Se o desejo não basta pra mim, me ponho de pé, enganado por um só

Só é como me sinto (pensando naquilo que fiz)

A alegria de ser um só parece longe agora

Mas a tristeza de ser só um, cresce rápido como o passar da aurora

Que deixa beleza, mistério já desvendado

Mas, falar o que, se palavras já não mudam o coração de alguém?

Pensar o que, se  a mente não obedece mais ao que a gente sente?

As coisas sempre acontecem. Eu até mesmo vi um dia desses.

Música por música #3

Posted in Música por música with tags , , , on 11 de abril de 2011 by Pablo Teixeira

Don’t go away – Oasis (Noel Gallagher)

Cold and frosty morning
There’s not a lot to say
About the things caught in my mind
And as the day was dawining
My plane flew away
With all the things caught in my mind

I don’t wanna be there when you’re coming down
I don’t wanna be there when you hit the ground

So don’t go away
Say what you say
But say that you’ll stay
Forever and a day
In the time of my life
‘Cause i need more time
Yes, I need more time just to make things right

Damn my situation
And the games i have to play
With all the things caught in my mind
Damn my education
I can’t find the words to say
About the things caught in my mind

I don’t wanna be there when you’re coming down
I don’t wanna be there when you hit the ground

So don’t go away
Say what you say
But say that you’ll stay
Forever and a day
In the time of my life
‘Cause i need more time
Yes, i need more time just to make things right

Me and you what’s going on?
All we seem to know is how to show
The feelings that are wrong

So don’t go away
Say what you say
But say that you’ll stay
Forever and a day
In the time of my life
‘Cause i need more time
Yes, i need more time just to make things right
So don’t go away
Música por música. Sem segundas intenções.

Eu queria ter a paciência de Jó.

Posted in Reflexão with tags , on 8 de abril de 2011 by Pablo Teixeira

“Fazem túneis através da rocha, e os seus olhos enxergaram todos os tesouros dali. Eles vasculham as nascentes dos rios e trazem à luz coisas ocultas. Onde, porém, se poderá achar sabedoria? Onde habita o entendimento? O homem não percebe o valor da sabedoria; ela não se encontra na terra dos viveventes.” Jó 28 (10-13)

%d blogueiros gostam disto: